× Capa Textos Áudios E-books Perfil Livros à Venda Contato
Firmínio dos Hades
Textos
Perséfone
 
À Luana Moura

Do precipício das angústias, rente
Ao negro paço fúnebre do nada,
Minh’alma triste fez-se o ser regente,
Nas profundezas térreas, a coitada...

Mas, como um sol que surge intransigente,
Nos vastos breus de insana madrugada,
Tu refulgiste, há pouco, em minha frente,
Branca, bendita, linda, inesperada!

E assim livrei-me dos brutais negrumes,
Das infernais tristezas, dos horrores,
Quando chegaste, deusa, com teus lumes...

Ó divindade que extermina dores,
Deixa-me estar, amor, nos teus perfumes,
Viver p’ra sempre em teus bilhões de flores!
Firmínio dos Hades
Enviado por Firmínio dos Hades em 28/01/2020
Alterado em 08/02/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários